Hábitos alimentares e consumo de água ajudam no funcionamento do intestino

A flora intestinal (microbiota) determina o adequado funcionamento do intestino e é influenciado por hábitos alimentares e pela ingestão adequada.

Alterações da função intestinal tem impacto em praticamente todos os outros sistemas, como coração, pressão, sistema ósseo, depressão e muito mais.

O mal funcionamento do intestino pode se manifestar por constipação crônica, fezes amolecidas e ainda podem ter oscilações de diarreia e de fezes endurecidas desencadeada pelo estresse.

Quem tem intestino preso nem sempre gosta de falar sobre o assunto.

Existem três fases comuns de constipação na infância. A primeira é quando a criança deixa o leite materno e passa a comer papinhas, por exemplo. Depois, quando começa a tirar as fraldas. A terceira fase é quando as crianças passam a frequentar a escola e precisam ir ao banheiro público. Fatores emocionais, hereditários, hábitos de vida e alimentação também influenciam. O ideal é que a criança vá ao banheiro todo dia.

Nos bebês

A constipação ocorre principalmente quando a introdução alimentar é iniciada. Alguns alimentos podem travar o intestino. A cólica e a diarreia também podem ser sintomas de alimentos mal digeridos.

É importante variar a alimentação durante a introdução, sempre com alimentos de verdade – legumes, vegetais, frutas, pois são ricos em prebioticos (estimula a flora benéfica)

Nas crianças

Alguns fatores podem provocar a constipação: falta de água, falta de fibra e excesso de doces. É muito importante manter a hidratação.

Nos idosos

O idoso pode precisar usar enzimas digestivas que vão auxiliar na digestão das proteínas. O ideal é consumir proteínas de mais fácil digestão como peixe, frango e proteínas vegetais. Evitar consumo de queijo e comer farinha.

A flora intestinal é importante em todas as fases da vida.

Observe as fezes e ensine a os seus filhos a fazer o mesmo.

Para saber mais sobre o assunto Leia: Intestino segundo cérebro

E assista o vídeo sobre disbiose intestinal:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Envie seu depoimento para a Dra. Odalis

×
EnglishPortuguêsEspañol